Relutância em Vacinar: uma das ‘10 Prioridades de Saúde’ da OMS

Hoje retomo o tema das ‘10 Prioridades de Saúde’ definidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para este ano de 2019 e vou falar sobre o item 8 da lista: a Relutância em Vacinar. Esse é um assunto de extrema relevância e sempre que possível tenho trazido informações e alertado para os perigos da diminuição da cobertura vacinal da população, o que permite o retorno de doenças há muitos anos consideradas erradicadas.

Segundo a OMS, a hesitação para vacinar, que é a relutância ou a recusa, apesar da disponibilidade da vacina, “ameaça reverter o progresso feito no combate a doenças que podem ser prevenidas por meio da imunização”. Para termos ideia da dimensão dessa questão, estima-se que são prevenidas entre 2 e 3 milhões de mortes por ano. No entanto, mais 1,5 milhão de mortes poderiam ser evitadas se a cobertura global de vacinação tivesse maior alcance.

Ou seja, não foi por acaso que a OMS incluiu a relutância em vacinar entre as 10 prioridades. O sarampo registrou aumento de 30% nos casos em todo o mundo. No ano passado, tivemos no Brasil o surto de febre amarela. A poliomielite entrou novamente no radar de preocupações dos governos, em função, justamente, da dificuldade das campanhas de vacinação em atingir as metas estipuladas.

Para este 2019, a OMS informou que intensificará os esforços para eliminar o câncer do colo de útero em todo o mundo, e a principal medida será o aumento da cobertura da vacina contra o HPV. Além disso, todos nós podemos contribuir para melhorar o cenário de vacinação, ao divulgar informações confiáveis e denunciar as “fake news”, conversar com amigos e familiares sobre a importância do tema e, sempre que surgir alguma dúvida, consultar um profissional para buscar os esclarecimentos corretos.

Comments are closed.